Paróquia Sagrada Família
Paróquia Sagrada Família

Um breve histórico da Paróquia Sagrada Família

logo

Já faz algum tempo que a Diocese de Itabira adotou a política de levar o clero para mais próximo dos fiéis, favorecendo a convivência destes com povo. Assim sendo, não faz sentido a existência de paróquias territorial e populacionalmente grandes e sim paróquias menores, como conjunto de pequenas comunidades-irmãs que constroem sua história de vivência da fraternidade e de sal e luz na realidade Municipal, Estadual, Nacional e Internacional.

É dentro desta perspectiva que as novas paróquias estão sendo edificadas. Dentre elas a Paróquia Sagrada Família. Os estudos para a viabilização de nossa paróquia começaram em 2006, sob a coordenação do Pe. Agnaldo Luis da Silva, então pároco da Paróquia Cristo Rei, de onde a totalidade da Paróquia Sagrada Família seria desmembrada. Neste processo foi escolhi-do o nome da paróquia e a Matriz, comunidade São Pedro, no bairro Caravelas, assim como as comunidades que fariam parte da nova paróquia: Santa Luzia, Imaculada Conceição, Menino Jesus, Sagrado Coração de Jesus, São Pedro e Nossa Senhora das Graças. Depois de várias reu-niões e ponderações, iniciamos em março de 2008 os trabalhos pastorais preparativos para a nova paróquia como reuniões de conscientização nas comunidades, assembléias dos grupos eclesiais para a eleição das novas coordenações paróquias, elaboração de planejamento paro-quial provisório etc.

Pe. Aloísio, desde o início, indicado pelo Conselho Presbiteral como o novo pároco, co-meçou efetivamente o seu trabalho de assistência aos fiéis em março de 2008, uma vez que Pe. Agnaldo começara o processo de desligamento das comunidades que pertenceriam à nova pa-róquia. Todos os preparativos foram feitos e em treze de abril de 2008, às 18:00h., sob a presi-dência de Dom Odilon Guimarães Moreira, celebramos a Santa Missa, onde a paróquia foi ins-talada, sob a proteção e título da “Sagrada Família”. Também, nesta oportunidade, Pe. Aloísio Vieira, foi empossado como pároco e Pe. José Luiz da Silva como vigário paroquial. O local escolhido foi o adro da Matriz de São Pedro. Com grande afluência de pessoas, a Santa Missa contou com os seguintes co-celebrantes: Pe. Alex Banza Ilumga, da paróquia São Geraldo, Ipatinga; Pe. Cláudio Costa, da paróquia São Sebastião, de Timóteo; Pe. Elder Luiz Silva, da paróquia Nossa Senhora da Esperança, Ipatinga; Pe. Francisco Cezar Cruz Neto, da paróquia Cristo Libertador, Ipatinga; Pe. Geraldo Morini, da paróquia Cristo Libertador, Ipatinga; Pe. Jose Geraldo da Silva Reis, da paróquia Nossa Senhora Aparecida, Ipatinga; Pe. José Marcelino de Magalhães Filho, das paróquias de Marliéria e Jaquaraçu; Pe. Luiz Carlos Macedo, da paróquia de Belo Oriente. Em sua homilia, D. Odilon falou da alegria de estar instalando mais uma paróquia, uma vez que os fiéis serão mais bem assistidos e o Reino de Deus poderá se desenvolver melhor; falou também das responsabilidades e compromissos tanto dos fiéis quanto dos padres, frisando que trabalhar juntos e com o mesmo objetivo é a solução; lembrou que o investimento nos grupos de reflexão precisa ocupar lugar de destaque, pois é aí que a formação permanente acontece e é daí que saem as novas lideranças. Ao final da Santa Missa as lideranças agradeceram ao Senhor bispo a criação da nova paróquia, uma vez que veio de encontro com as aspirações do povo de Deus.

Os passos seguintes foram a reestruturação dos grupos eclesiais, a instalação do Conse-lho Financeiro, o estabelecimento de contato de ligação com o Copar e Copadi e a elaboração do plano de assistência dos padres às comunidades, além da construção da secretaria e casa paroquiais. Todos os trabalhos foram desenvolvidos a contento, com exceção da construção da nova secretaria e casa paroquial.

Com o tempo a maioria das comunidades sentiu a necessidade de ampliação de seus templos, uma vez que não mais podiam abrigar os fiéis. Assim, as comunidades Imaculada Conceição e São Pedro começaram a fazer seus planejamentos. A comunidade Menino Jesus desistiu por não ter espaço físico. A comunidade Sagrado Coração de Jesus achou que o templo que estão para construir irá atender. A comunidade Nossa Senhora das Graças considera que o templo, que estão terminando, dará conta.

Nestes dois anos de vida, a paróquia investiu na formação permanente de seus grupos eclesiais, especialmente liturgia, dízimo, catequese, grupos de reflexão e coroinhas. Hoje a co-munidade São Pedro tem 15 grupos eclesiais, a comunidade Nossa Senhora das Graças tem 13, a comunidade Menino Jesus tem 13, a comunidade Sagrado Coração de Jesus tem 09, a comuni-dade Imaculada Conceição tem 12 e a comunidade Santa Luzia tem 02.

Estamos caminhando rumo ao céu, na companhia de nossas paróquias-imãs, nas pegadas de Jesus, conduzida pelo Espírito Santo de Deus e sob a orientação de nossa Diocese.

Pe. Aloísio Vieira

FacebookTwitterGoogle+